Logo We Love Beer

Conheça a história do recipiente de alumínio mais famoso do mundo

Tomar cerveja na latinha é algo mais do que comum. Mas será que sempre foi assim? Quando foi que saímos das garrafas para as latas? Hoje vamos desvendar um pouco a história da embalagem que conquistou grande espaço no mercado das cervejas.

As latas não chegaram de primeira à cerveja. Na verdade, surgiram por uma necessidade da humanidade de conservar os alimentos, de maneira que durassem mais, sem perder qualidade. Foi então que, em meados do século XVIII, o famoso imperador Napoleão Bonaparte lançou um desafio para a população: o gênio que tivesse uma ideia de como guardar os alimentos de maneira que durassem mais tempo seria recompensado pelo líder francês.

Claro que, nessa época, não era uma brincadeira de quem era o mais inteligente. A questão mesmo era ajudar os soldados que viajavam em direção aos campos de batalha e que precisavam de alimento de boa qualidade. E quem foi o vencedor dessa “gincana” intelectual? A resposta é um inventor francês conhecido como Nicolas Appert, cuja invenção se resume a recipientes de vidro que expostos ao calor e fechados hermeticamente com rolhas de cortiça faziam com que os alimentos tivessem maiores prazos de validade.

Mais pra frente, em 1809, o inventor escreveu um livro sobre o assunto, sendo reconhecido por isso. Até que a obra foi lida por Peter Durant, responsável por solicitar a patente em 1810: “primeiramente acondicionamos os alimentos em garrafas ou outros vasilhames de vidro, potes ou recipientes de estanho”. A partir daí que recipientes de estanho começaram a ser considerados bons para conservar alimentos.

A lata começava a ganhar “forma” e os alimentos eram enlatados em recipientes de chapas de ferro estanhadas. A evolução da lata estava a todo vapor, principalmente quando em 1824, o inglês Joseph Rhodes resolveu caprichar mais colocando tampa e fundo; um método conhecido também como recravação. Daí para frente, foi só evolução.

Para as cervejas, as latas chegaram em 1935, nos EUA, mas eram mais parecidas com as latas de óleo de antigamente. A versão em alumínio que conhecemos hoje surgiu pela primeira vez também nos Estados Unidos em meados dos anos 60. Nessa época, nossa querida cerveja já estava sendo enlatada na Terra do Tio Sam. No Brasil, demorou mais
um pouquinho para chegar: foi há 27 anos, em 1989, que a primeira latinha de alumínio cheia de cerveja foi produzida no Brasil.

Atualmente, existem milhares de latinhas diferentes no mundo inteiro e isso mostra que o desenvolvimento desse recipiente é contínuo. É uma das poucas embalagens 100% reciclável que temos no mercado. Além disso, ela é totalmente customizável, um espaço ótimo para soltar a criatividade, trazer as informações sobre o produto e também brincar com os consumidores.

A nossa Kaiser é um exemplo vivo disso. Esse ano a latinha da cerveja está com uma campanha nova, pra lá de criativa e divertida. A ideia é colocar nas prateleiras latinhas com alguma frase engraçada e sincera. A brincadeira incentiva os fãs da marca a falarem o que pensam ou, como dizem, “falar na lata”. Quem aí tem coragem de dedicar alguma dessas latinhas sinceras para um amigo?

Fontes:

Compartilhe