Logo We Love Beer
Curiosidades
O jeitinho brasileiro para ver os jogos da UEFA Champions League

O jeitinho brasileiro para ver os jogos da UEFA Champions League

Os brasileiros são conhecidos mundialmente por sua paixão pelo futebol bretão e fazem de tudo para poder acompanhar aos jogos - ainda mais o grande espetáculo futebolístico promovido todos os anos nos campos europeus. Tida por muitos como a maior competição de futebol no planeta, a UEFA Champions League já conquistou fãs tupiniquins que sempre dão aquele “jeitinho brasileiro” para conseguir assistir aos jogos que são transmitidos em horário comercial, durante a semana.

É o caso do Supervisor de Bares Igor Trovatto, de 25 anos, que acompanha o futebol desde criança, quando assistia aos jogos na companhia do pai e do avô. O palmeirense tem simpatia pelo time holandês do Ajax e também joga a sua bolinha durante a semana como meia ou ponta. No começo dos anos 2000, Igor começou a jogar jogos de vídeo game com os times do velho continente. Desde então, passou a nutrir sua paixão pelo futebol europeu. “Acredito que a alta do futebol brasileiro na Europa e grande parte das convocações para a seleção virem de lá seja um dos fatores que tem gerado mais adesão do público brasileiro aos jogos da Champions”, analisa.

Igor lembra até hoje das finais da UEFA Champions League de 2005 e 2013. Grandes jogos do Liverpool contra o Milan e do Bayern de Munique contra o Borussia Dortmund, respectivamente. E para assistir aos jogos, ele já fez algumas peripécias. Uma delas, em 2008, quando trabalhava em um hotel fazendo a manutenção e limpeza dos minibares nos apartamentos, Igor ligava a TV pra assistir aos jogos a cada passagem pelos quartos. De pouquinho em pouquinho, conseguia saber os resultados. Hoje em dia ele ainda trabalha em hotel, mas no bar, o que torna acompanhar os jogos mais fácil porque ele costuma tirar folgas às terças e quartas (dias dos jogos) e pode assistir aos jogos sem se preocupações.

Já o são-paulino Marcus Freitas, de 25 anos, começou a curtir o futebol desde a infância.. Com 10 anos ele entrou na escolinha de futebol do tricolor e o amor ao clube ficou consolidado. “Sou são-paulino no Brasil e no mundo! Mas se for para escolher um time na Europa, esse time seria o Real Madrid”, revela. O vídeo game também estimulou a paixão dele pelo futebol europeu, e o acompanhamento das ligas nacionais da Europa o trouxe para a Champions League. “Ao meu ver, este ganho de espaço do futebol europeu por aqui se deu principalmente ao fácil acesso que temos às informações e jogos da Champions no Brasil. Não só por conta da internet e das redes sociais, mas também ao espaço que a mídia (TV, rádios e mídias impressas) dá aos jogos e eventos relacionados ao melhor campeonato de clubes do mundo”, analisa.

Marcus tem uma tática ousada para acompanhar aos jogos dentro do escritório. “O celular facilita muito, mas já tive que dar alguns jeitinhos para acompanhar os jogos. A maior loucura foi reservar uma sala de reuniões enorme por mais de uma hora – sem nenhuma reunião de fato existente – para poder assistir ao jogo sem ser incomodado. Não pude usar a televisão de conferências da sala (seria muita cara de pau), mas consegui assistir ao jogo no computador tranquilamente”, revela. Em algumas ocasiões ele também chegou ao trabalho às seis da manhã para conseguir sair mais cedo e assistir aos jogos em um bar ou em casa na companhia de uma Heineken gelada.

O Produtor Artístico Rychard Riça (26 anos) também lembra com carinho do futebol dos anos 1990. A Final da Copa de 1994 éfoi a primeira grande lembrança que ele tem sobre o início da sua paixão pelo esporte. O Corinthians é o seu time do coração e se for para escolher algum na Europa é o Barcelona. O acompanhamento dos jogos europeus se deu quando ele descobriu que dava para assistir aos jogos pela internet. Ele brinca também ao dizer que “tem jogos que só vemos na UEFA Champions League ou no vídeo game”, devido ao alto nível dos jogadores. Rychard é mais um que destaca o jogo entre Liverpool e Milan em 2005 como o maior jogo que ele já assistiu na Champions.

E como ele consegue assistir aos jogos durante o expediente? Com a sempre eficaz dupla “Alt - Tab”. “Eu sempre estou no trabalho no horário dos jogos, então tenho que apelar para a internet. Aí o jeito é colocar o fone de ouvido, deixar uma janela do navegador passando o jogo e ficar de olho na porta, pois se o chefe surgir é só dar o famoso ‘Alt + Tab’ e fingir que está tudo normal. Como é no horário de trabalho, infelizmente não consigo assistir saboreando uma Heineken, somente na final, que acontece aos sábados”, conta.

Temos também o relato de Renato Piccinin (31 anos), um profissional de sorte que pode aliar a paixão pelo futebol com sua atividade profissional. Ele é jornalista e já atuou no Jornalismo Esportivo. “A verdade é que 90% das vezes tinha uma televisão por perto com os jogos passando. Quando trabalhei com futebol internacional era uma obrigação, além de um prazer, assistir aos jogos. Hoje, que não trabalho mais diretamente com futebol, consigo dar um jeito com as TVs ligadas pela redação ou com a internet. E o que costumo fazer também é deixar minhas folgas estrategicamente agendadas para momentos importantes da competição”, conta o profissional.

Renato, que é são-paulino, torce na Europa para todos os times do futebol espanhol com exceção ao Real Madrid. A relação dele com o futebol europeu também começou nos anos 1990. Como o São Paulo foi Bi Campeão Mundial, ele se interessou em conhecer mais sobre os times e os países dos times da Europa e, entre 1996 e 1997, começou a acompanhar com mais frequência. O jornalista pontua que “a Champions é um prato cheio para quem não é só fanático por um time, mas que gosta de fato de futebol. Prefiro mil vezes assistir a um Chelsea x Borussia Dortmund, por exemplo, do que um Fla x Flu. E o motivo é a qualidade do futebol e do espetáculo em geral (gramado, torcida, organização, etc)”. E a final da temporada 1998/1999 entre Manchester United e Bayern de Munique é o jogo inesquecível para Renato.

As dicas do Del Piero

Para dar uma ajudinha extra pra quem quer acompanhar os próximos jogos da UCL, o italiano Alessandro Del Piero, ídolo da Juventos, deu 5 dicas para distrair seus chefes e conseguir dar uma fugidinha do trabalho na hora das partidas.

Confira:

[embed vídeo]

Compartilhe